21 de jan de 2014

sem título



 o coração tem espaços oceânicos

descrevo com paciência o drama do dia
enquanto acumulam-se desenhos sob a pele

há uma ordem expressa
para o contentamento permanente

prefiro
morrer de insônia
do que de espera.


Nenhum comentário:

Postar um comentário